Home|Descubra automação, Todos os artigos do|Tipos de válvulas manuais

TIPOS DE VÁLVULAS MANUAIS

Válvula é um dispositivo usado para regulagem, direcionamento e controle do fluxo de fluídos, gases, polpa ou sólidos fluidizados, abrindo, fechando ou obstruindo parcialmente as passagens dentro de uma tubulação. Em uma válvula aberta, o fluxo flui na direção da pressão mais alta para a pressão mais baixa.

A palavra válvula deriva do latim valva, a parte móvel de uma porta e por sua vez de volvere,  virar, girar, rolar.

> Válvula de esfera
> Válvula borboleta
> Válvula globo
> Válvula gaveta
> Válvula diafragma

Válvula de esfera

Uma válvula de esfera, como seu nome sugere, é uma válvula cujo obturador é uma esfera oca, perfurada e pivotante, assentada dentro de um corpo tubular e que controla o fluxo de fluídos ou gases permitindo sua passagem de uma extremidade à outra através da abertura vazada de sua esfera. O centro oco da esfera é chamado de passagem ou furo. A válvula de esfera está na posição aberta quando esta porta central está alinhada na mesma direção da tubulação conectada, pois esse posicionamento permite que o fluido ou gás flua através dela. A válvula gira para a posição fechada quando a porta se torna perpendicular, bloqueando o caminho do fluxo e evitando que quaisquer substâncias continuem circulando dentro da tubulação. A válvula de esfera faz parte da família ¼ de volta pois para obter o fechamento ou abertura é necessário apenas um quarto de giro, ou seja, um movimento de 90°.

Válvula borboleta

A válvula borboleta pertence à família de válvulas chamadas de ¼ de volta (um quarto de volta), pois para obter a posição aberta ou fechada não é necessária uma volta completa, mas apenas um movimento de ângulo 90°. A válvula borboleta é constituída de uma haste que adentra a sede circular da válvula e, uma vez no interior da sede, a haste assume a forma de disco, encaixando-se perfeitamente à sede. O nome válvula “borboleta” se deve ao fato do disco, ligado à haste, se assemelhar a uma borboleta quando descreve o seu movimento giratório.

Válvula globo

A válvula globo é adequada para aplicações como o controle da vazão e para a operação de abertura e fechamento da passagem do fluxo.

Nesse tipo de válvula o que determina o controle da vazão não é o tamanho da abertura na sede da válvula, mas o levantamento do obturador e a distância entre este e a base da válvula. Uma característica das válvulas globo é que, mesmo se usada na posição parcialmente aberta, há menos risco de danificar a sede da válvula ou o obturador da válvula pelo fluido do que com outros tipos de válvulas manuais. Além dessa, outras características são uma queda de pressão maior que nas demais válvulas porque a sua passagem é em forma de S. O seu tempo de abertura também é mais longo pois sua haste deve ser girada muitas vezes na operação de abertura e fechamento. Eventualmente, esse fato pode causar vazamento na vedação da gaxeta.

Válvula gaveta

Válvulas gavetas são semelhantes à comportas onde o fluxo é controlado abaixando ou elevando o disco, ou gaveta, da válvula para fora da circulação do fluido. A válvula gaveta é mais usada para bloqueio ou liberação do fluxo que não propriamente para sua regulagem pois o disco pode ser danificado se permanecer na posição parcialmente aberto. Quando totalmente aberta, a válvula de gaveta típica não obstrui o caminho do fluxo, resultando em uma resistência ao fluxo muito baixa limitando a queda de pressão. O tamanho do caminho de fluxo aberto geralmente varia de maneira não linear à medida que o disco, ou porta, é movido. Isso significa que a vazão não muda uniformemente com o deslocamento da haste. Dependendo da construção, um disco parcialmente aberto pode vibrar a partir do fluxo de fluido. No entanto, colocar a válvula na posição totalmente aberta ou fechada exige que a alavanca seja girada várias vezes, o que geralmente faz com que essas válvulas tenham maiores tempos de operação que as demais.

Válvula diafragma

As válvulas diafragma possuem uma membrana flexível que, quanto pressionada pela haste através do giro do volante, toca a base da sede comprimindo a passagem e bloqueando o fluxo do fluido. Ou, no sentido contrário, para liberar o fluxo quando se gira o volante no sentido oposto e a membrana se afasta da sede. O castelo, parte superior, da válvula diafragma permanece isolado do fluido, essa característica evita vazamentos sem a necessidade do uso de gaxetas. Por outro, quando a válvula é usada regularmente, o diafragma se desgasta e se faz necessária a manutenção.

2020-01-13T13:05:16+00:00

 

ESPECIALISTAS EM AUTOMAÇÃO DE VÁLVULAS

A MELHOR solução EM AUTOMAÇÃO com o MELHOR  custo-beneficio

SOLICITE MAIS informações